Tamanho do Texto

 

Por: Beatriz Lucas

Na manhã desta quinta-feira, 8/2, foi realizada a primeira reunião do Eixo Política Habitacional do Plano Diretor 2018, no auditório do Paço Municipal. O objetivo desta vertente é buscar o equilíbrio no processo de desenvolvimento urbano associado à sustentabilidade.

O encontro contou com a presença do prefeito em exercício, Márcio da Farmácia, e representantes das secretarias de Habitação e Desenvolvimento Urbano, de Finanças, de Meio Ambiente, de Planejamento e Gestão Pública, Desenvolvimento Econômico e Trabalho, de setores da indústria como Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP), Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Diadema, da educação como Universidade Federal Paulista (UNIFESP) e Fundação Florestan Fernandes (FFF). 

A eficiência na utilização do solo, atributos relacionados a densidade e a diversidade do território ocupado e ao desenvolvimento econômico e social foram os assuntos discutidos durante a reunião. “Essa discussão é uma forma de buscar a conciliação diante das divergências do atual Plano Diretor entre o setor produtivo com áreas específicas de habitação. O que temos que ter é uma visão macro da cidade, no qual todos os serviços sejam contemplados em prol do desenvolvimento econômico do município”, afirmou a secretária de Habitação e coordenadora do eixo, Regina Gonçalves. 

Durante esta semana, foram realizadas reuniões de quatro dos seis eixos do Plano Diretor 2018. As discussões buscaram a revisão e o planejamento de um novo plano. “Vejo o Plano Diretor como uma oportunidade para resolver as necessidades da cidade. Com a estrutura que estamos trabalhando, teremos um plano à altura de nossa cidade”, afirmou o prefeito em exercício, Márcio da Farmácia. 

A próxima reunião do Eixo Política Habitacional está prevista para 8 de março. 

Plano Diretor

O Plano Diretor é baseado na Lei Federal 10.257/2001 que regulamenta os artigos 182 e 183 da Constituição Federal. Esses artigos estabelecem parâmetros e diretrizes da política e gestão urbana no Brasil. Seu objetivo é orientar as ações do poder público visando compatibilizar os interesses coletivos e garantir de forma mais justa os benefícios da urbanização, preservar os princípios da reforma urbana, direito à cidade e à cidadania e gestão democrática da cidade.  O plano é obrigatório para municípios com mais de 20 mil habitantes, em cidades que integram as regiões metropolitanas, áreas de interesse e situadas em áreas de influência de empreendimentos turísticos ou atividades com significativo impacto ambiental na região ou no país.

Fevereiro 2018
Do Se Te Qu Qu Se
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 1 2 3