Sete UBSs já contam com o novo sistema, que permite maior agilidade na marcação de consultas especializadas e interligação com serviços de farmácia e laboratórios

Por: Renata Nascimento       Fotos: Beatriz Lucas

Quando Michele chega à Unidade Básica de Saúde (UBS) em Diadema, sua presença é registrada na recepção e o médico generalista acessa os dados no computador instalado no consultório. Após a consulta, a receita é impressa e a farmácia do serviço já separa o medicamento a ser dispensado. Assim é a realidade dos moradores atendidos pela UBS ABC, uma das sete Unidades já informatizadas no município. Até o final do primeiro semestre deste ano, serão mais nove, totalizando 80% dos serviços da Atenção Básica da cidade.

O novo cenário permite agilizar o agendamento e o registro de atendimentos e procedimentos médicos, odontológicos e de enfermagem. Os dados dos usuários passam a ser registrados em no Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC), com formato mais lógico e compreensível, sendo mais confiável e útil para o acompanhamento das condições de saúde do morador.

“Acho que a informatização facilita o atendimento, pois o médico já tem todas as informações na tela do computador”, afirma a moradora Michele Luzia de Almeida da Silva. O prontuário fica disponível, facilitando em casos de mudanças de endereço ou necessidade de atendimento por outra UBS que não seja a de referência do morador. 

É importante ressaltar que as informações do usuário são protegidas por sigilo, estando acessível somente a médicos e enfermeiros e apenas no momento do atendimento. Além da rapidez em todo o processo, há redução do número de documentos como fichas, receitas e atestados preenchidos manualmente.

Atualmente, as Unidades que contam com o sistema são: São José, Real, Piraporinha, ABC, Conceição, Nova Conquista e Centro. A primeira a estar 100% informatizada foi a UBS São José, em março de 2017. “Todo o processo de implantação foi discutido e pactuado com os profissionais. Agora, a rotina é alimentar o prontuário no computador diariamente. A equipe passou por treinamento e os dados de produção e perfil epidemiológico podem ser consultados por cada profissional, mediante login e senha”, explicou a enfermeira e coordenadora da Unidade, Jussara Aragão.

De acordo com o coordenador da Atenção Básica, Douglas Schneider, com a implantação da informatização, os benefícios estão sendo ampliados. “Toda a rede estará interligada e as informações serão compartilhadas entre os serviços que o usuário utilizar. A marcação de consultas especializadas será agilizada, por meio de sistema eletrônico e também estarão interligados os serviços das farmácias, laboratório e outros”, afirmou.

Para isso, a Prefeitura investiu R$ 820 mil na aquisição de 215 computadores e 300 impressoras para complementar o parque tecnológico existente na rede de Atenção Básica do município.  As próximas a serem modernizadas, no primeiro semestre, serão Nações, Canhema, Nogueira, Promissão, Casa Grande, Paulina, Eldorado. Após essa etapa, as UBSs a passarem pela informatização serão Ruyce, Inamar, Paineiras e Serraria. Futuramente, haverá interligação com outras unidades como Pronto Socorro Central e Hospital Municipal.

Prontuário eletrônico

As informações do PEC servirão de base de dados para o município e o país direcionar as políticas públicas na área da saúde. Hoje, mais de 60% dos cidadãos já estão cadastrados no novo sistema de atendimento informatizado. 

Com o cadastramento dos prontuários eletrônicos no e-SUS Atenção Básica, um sistema de software para envio e coleta de dados de pacientes que utilizam a rede pública de saúde, o município garante o repasse de verbas do Ministério da Saúde destinado para a área de Atenção Básica (AB). Atualmente, os recursos para custeio e manutenção dos serviços de Saúde provêm do orçamento municipal e verbas do governo estadual e do federal. Para a Atenção Básica, Diadema recebe, em média, R$ 2,3 milhões mensais do Ministério.

O prontuário de papel permanece na Unidade, caso seja necessária a consulta futura. Apenas em caso de óbito do paciente, o documento segue para arquivo morto. Já no caso de mudança do paciente dentro do município é transferido para a UBS de referência.