SECRETÁRIA

Patrícia Cavalcanti

Contato:

11 4057-8000

HABITAÇÃO EM DESTAQUE

Prefeitura inicia asfaltamento da av.Nicola Imparato na Vila Joaninha
Prefeitura entrega reforma de Centro Comunitário e mais de 80 títulos de propriedades no NH 18 de agosto
Habitação indica áreas ao Estado para programa de revitalização de imóveis



Recurso oriundo de parte da receita operacional da SABESP no município será investido em obras e ações complementares de saneamento básico

 

Seguindo a tendência e o exemplo de cidades metropolitanas importantes, o município de Diadema oficializou o Fundo Municipal de Saneamento Ambiental e Infraestrutura – o FMSAI. Depois de passar pelo Legislativo, a Lei nº 4.282/2022, que cria e regulamenta a nova fonte de recurso orçamentário, foi sancionada e publicada pelo prefeito José de Filippi Júnior, no Diário Oficial Eletrônico da Prefeitura.

 

Com a nova lei, o Fundo FMSAI passa a receber 4% do total da receita operacional da SABESP, obtida a partir da exploração dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário em Diadema. Esse recurso será investido para apoiar e suportar obras e ações de saneamento básico, ambiental e de infraestrutura, conforme critérios estabelecidos na referida legislação.

 

Atual responsável pelo serviço de água e esgoto de Diadema, a SABESP arrecadou no ano passado, cerca de R$ 200 milhões no município. Assim, a estimativa é a de que o FMSAI conte com R$ 8 milhões ao ano para execução de obras. 

 

A condução administrativa do Fundo de Saneamento Ambiental e Infraestrutura caberá à Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano. Para tanto, a pasta vai contar com o apoio da pasta de Meio Ambiente e Serviços Urbanos.

 

“A receita será fundamental à Municipalidade porque o Tesouro está distante da capacidade orçamentária de custear os investimentos totais necessários aos serviços de saneamento básico, em prol do meio ambiente e da população de baixa renda”, destaca Ronaldo Lacerda, titular da pasta de Habitação e Desenvolvimento Urbano de Diadema.

 

Gestão democrática

 

Visando fazer a diferença, o Conselho Gestor do Fundo de Saneamento Ambiental e Infraestrutura de Diadema vai ser formado por representantes do primeiro escalão da Prefeitura e complementado por lideranças da sociedade civil. Pelo governo, serão escalados sete secretários municipais (Habitação e Desenvolvimento Urbano; Meio Ambiente e Serviços Urbanos; Governo; Obras; Assuntos Jurídicos; Finanças; e de Planejamento e Gestão). Além deles, o Conselho do FMSAI vai contar com um membro do Conselho Municipal de Habitação e outro do Conselho Municipal do Meio Ambiente.

 

De acordo com a Lei Municipal nº 4.282, caberá ao Conselho Gestor, entre outras funções, aprovar e decidir sobre a aplicação dos investimentos. Também será da competência dos gestores, divulgar amplamente o trabalho do órgão, bem como sobre a origem, destino e andamento dos recursos, licitações, contratos e outros encaminhamentos pertinentes.

 

Aplicação dos recursos

 

Os futuros recursos do FMSAI deverão ser aplicados no custeio de obras, projetos, bens, serviços e ações relativos, obedecendo sempre aos critérios impostos pela nova lei. Entre essas permissões constam intervenções em áreas de influência ou ocupadas predominantemente por população de baixa renda, visando à regularização urbanística e fundiária de assentamentos precários e de parcelamentos do solo irregulares.

 

A verba também poderá ser investida em limpeza, despoluição e canalização de córregos; abertura ou melhoria do viário principal e secundário, vielas, escadarias e congêneres; implantação de parques e de outras unidades de conservação necessárias à proteção das condições naturais e de produção de água no Município, de reservatórios para o amortecimento de picos de cheias, de áreas de esporte, de obras de paisagismo e de áreas de lazer.

 

O novo Fundo poderá ainda bancar obras de drenagem, contenção de encostas e eliminação de riscos de deslizamentos; desapropriação de áreas para implantação das ações de responsabilidade do Fundo; ações e intervenções de fiscalização do uso e ocupação do solo e controle de ocupações irregulares com fins

de proteção às condições naturais e de produção de água no Município; além de execução de projetos, obras e serviços complementares de saneamento básico, entre outros.

 

Enfim, a Municipalidade ressalta que a criação do novo FMSAI ocorre sem prejuízo das metas de ações de saneamento básico e ambiental sob responsabilidade da SABESP e legalmente estabelecidas no “Contrato de Prestação de Serviços Públicos de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário em Diadema”, firmado no ano de 2014.

 

Por MarcosLUiz

Foto: Divulgação SECOM/PMD