Desde o início, o processo de ocupação de Diadema teve um fator fundamental: sua localização geográfica entre o litoral (Vila de São Vicente) e o planalto (Vila de São Paulo de Piratininga). Foi a existência de uma via de ligação entre São Bernardo do Campo e Santo Amaro que proporcionou a chegada de uns poucos moradores ainda no século XVIII. As avenidas Antônio Piranga e Piraporinha se originaram desses caminhos primitivos.

Até a década de 1940, a região de Diadema era constituída por quatro bairros pertencentes a São Bernardo: Piraporinha, Eldorado, Taboão e Vila Conceição. Dispersos, eles eram ligados apenas por caminhos precários. Cada um tinha sua vida própria. Piraporinha próximo a São Bernardo; Taboão, também ligado pela proximidade a São Bernardo e a São Paulo através da Avenida Água Funda. O Eldorado, que guardava características muito próprias, graças à Represa Billings, vinculava-se mais a São Paulo (região de Santo Amaro). Finalmente, a Vila Conceição, formada pelas chácaras pertencentes ao loteamento da Empresa Urbanista Vila Conceição.

O trajeto até o Centro foi completado pelo senhor Alberto Simões Moreira. Nessa estrada, passaram a transitar carros de boi, cavalos, automóveis e a primeira jardineira que fazia o itinerário Eldorado - Vila Conceição - Praça da Árvore (SP).

Apesar da proximidade geográfica com a Capital, até os anos 50 a cidade pouco sentiu os efeitos das transformações produzidas pela industrialização em São Paulo. Até então, Diadema tinha pouca importância econômica regional.

Após a década de 1950, o sistema de escoamento da produção pelos eixos ferroviários entra em declínio e o governo passa a optar pelos circuitos rodoviários. A Via Anchieta, inaugurada em 1947, representa uma nova fase da industrialização paulista.

Ao longo dessa estrada, instalaram-se grandes indústrias multinacionais; em Diadema se instalaram empresas que produziam, na sua maioria, objetos complementares para aquelas multinacionais.

Em 1948, com a Lei nº 233, criou-se o Distrito de Diadema. As transformações ocorridas a partir dos anos 50 na região do ABCD Paulista - abertura de estradas, industrialização, migrações, novos loteamentos, crescimento das cidades - despertaram o interesse das lideranças políticas da região de Diadema. Havia o entendimento de que a mudança de distrito para município favoreceria o desenvolvimento local.

Foi a conjugação de vários fatores que determinou a emancipação político-administrativa de Diadema, como a expansão urbana e industrial paulista em direção ao ABC, a articulação de políticos da localidade, como o professor Evandro Caiaffa Esquível, com lideranças de influência no âmbito estadual, como o jurista Miguel Reale. A Vila Conceição liderou o movimento pela emancipação com a intensa participação dos seus moradores na Campanha da Emancipação.

Aprovado o processo de emancipação pela Assembleia Legislativa, ocorreu o plebiscito no dia 24/12/1958. As pessoas residentes há mais de dois anos no local votariam a favor ou contra a emancipação. Participaram cerca de 300 eleitores e a emancipação venceu por pequena margem, apenas 36 votos.

Em 1959, realizaram-se as primeiras eleições para os poderes Executivo e Legislativo do município de Diadema. Em 10/01/1960, com a posse do primeiro prefeito, vice-prefeito e vereadores, instalou-se oficialmente o novo município.

 

Dados Gerais

Diadema integra a Região Metropolitana de São Paulo, formada por 39 municípios e está inserida na região do ABCD Paulista, composta por sete cidades. Está a 17km distante do marco zero de São Paulo, localizado na Praça da Sé. Diadema tem 30,7km², o que representa 4,94% de todo o território do ABCD e 0,01% do território estadual.

A população de Diadema, estimada pelo IBGE para 1.º de julho de 2020, era de 426 757 habitantes, sendo o 14.º município mais populoso do estado e o 57.º do Brasil.

A cidade é a 21ª economia do Estado de São Paulo (fonte: IBGE/2016) e a 67ª economia do Brasil (fonte: IBGE 2016).

 

Bairros por ordem decrescente de área (população: IBGE/2016)

 

Eldorado: 6,690 km² - 43.571 pessoas

Centro: 4,129 km² - 45.173 pessoas

Piraporinha: 2,753 km² - 25.557 pessoas

Conceição: 2,858 km² - 43.876 pessoas

Casa Grande: 2,738 km² - 38.261 pessoas

Serraria: 2,270 km² - 31.787 pessoas

Canhema: 2,050 km² - 26.424 pessoas

Campanário: 1,959 km² - 29.630 pessoas

Vila Nogueira: 1,762 km² - 33.916 pessoas

Inamar: 1,195 km² - 25.779 pessoas

Taboão: 2,305 km² - 42.065 pessoas

 

Outros dados sobre a cidade:

 

Maior altitude:

Jardim Santa Cândida - 865m acima do nível do mar

 

Menor altitude: 

Vila Idealópolis - Piraporinha

 

Altitude predominante: 

Em torno de 700 a 800 metros

 

Relevo: 

Acidentado, pequenas colinas e morretes alongados. Poucas áreas planas

 

Área verde: 

Diadema possui, em média, 10m² de área verde por habitante. A maior parte das áreas verdes, no entanto, está concentrada ao Sul do município, dentro da área delimitada como de Proteção e Recuperação aos Mananciais (APRM). Assim, os demais bairros apresentam índices inferiores, que variam desde 1m² em Casa Grande a 6m² no Centro.

 

Clima:

Duas estações bem definidas. Verão pouco quente e chuvoso. Inverno ameno e subseco. As temperaturas médias giram em torno de 25ºC.

 

Índice pluviométrico médio: 

Aproximadamente 1.400 a 1.500mm por ano.

 

Rede Hidrográfica:

A maior parte da rede hidrográfica está orientada para Noroeste do Estado de São Paulo, em direção à calha do Tietê, formada pelos seguintes córregos e ribeirões:

Ribeirão dos Couros - 7.500m (principal da cidade)

Córrego Mato Dentro - 5.100m

Córrego da Capela - 4.695m

Córrego do Floriano - 4.395m

Córrego do Taboão - 4.000m

Córrego Araújo - 1.798m

Córrego Grota Funda (Sul)

Córrego da Capela (Leste)

Córrego Curral Grande (Leste)

Córrego Campanário (Norte)